Porém, instituto norte-americano diz que vacina só poderia entrar em aplicação em no mínimo um ano.

Apesar de fala otimista do presidente, secretário de Saúde afirma que risco pode escalar rapidamente.

Presidente dos EUA, Donald Trump, dá entrevista coletiva sobre novo coronavírus nesta quarta-feira (26) Carlos Barria/Reuters O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta quarta-feira (26) que os cientistas do país já estão a caminho de encontrar uma vacina contra o novo coronavírus. "Falando com médicos, achamos que uma vacina pode ser desenvolvida rapidamente", disse. No entanto, segundo a emissora Fox News, o chefe do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, Anthony Fauci, disse que uma vacina contra o novo coronavírus só poderia entrar em aplicação após um ano ou um ano e meio.

Isso porque ela ainda dependeria de testes, desenvolvimento e produção. Veja as recomendações para evitar o contágio pelo novo coronavírus Até esta quarta-feira, os EUA tinham 15 casos confirmados de Covid-19 — nome da doença do novo coronavírus — em território norte-americano.

Segundo Trump, cinco desses pacientes já estão completamente recuperados. Ao menos 40 países têm casos confirmados de Covid-19 Saiba mais sobre o primeiro caso de novo coronavírus no Brasil O presidente ainda disse estar disposto a aprovar um orçamento superior a US$ 2,5 bilhões nos esforços de combate ao novo coronavírus — algo ainda em discussão no Congresso norte-americano entre parlamentares democratas e republicanos. Trump também anunciou que o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, comandará o grupo de trabalho responsável por lidar com o novo coronavírus no país.

Ele prometeu atuar em conjunto com as autoridades de saúde dos estados norte-americanos. Em entrevista nesta quarta-feira (26), Donald Trump passa a palavra para o vice-presidente Mike Pence, que coordenará os esforços contra o novo coronavírus nos EUA Carlos Barria/Reuters 'Risco muito baixo aos EUA' Durante entrevista coletiva, Trump também afirmou que a doença ainda impõe "um risco muito baixo" aos norte-americanos e que os EUA estão prontos para enfrentar o surto do novo coronavírus.

Entretanto, logo após a fala do presidente, o secretário de Saúde dos EUA, Alex Azar, admitiu que o risco pode aumentar. "O grau de risco tem potencial para mudar rapidamente.

E devemos esperar ainda mais casos nos Estados Unidos", afirmou Azar. Imagem microscópica do novo coronavírus 2019 n-CoV NIAID-RML/AP Ainda assim, o tom das autoridades norte-americanas que participaram da entrevista coletiva foi otimista.

Anne Schuchat, uma das diretoras do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC, na sigla em inglês), respaldou a declaração de Trump de que as medidas tomadas — como monitoramento e controle dos cidadãos que chegavam da China — surtiram efeitos positivos. "Nossa estratégia agressiva de contenção aqui nos Estados Unidos tem dado resultados, e é responsável pelos baixos números de casos que temos até agora", disse Schuchat. Na véspera, entretanto, o CDC havia adotado um tom mais pessimista.

"Estamos pedindo para os americanos se prepararem para a expectativa de que pode ser ruim", disse um oficial do CDC. "A questão não é se o coronavírus vai chegar aos Estados Unidos, mas quando", declarou a diretora do Centro Nacional de Imunização e Doenças Respiratórias do CDC, Nancy Messonnier. Ciclo do novo coronavírus Arte/G1 Initial plugin text