Em entrevista coletiva na sede da Organização Mundial da Saúde, Maria van Kherkhove disse que pesquisadores de todo o mundo já conseguiram sequenciar mais de 40 mil exemplares do novo coronavírus.

A líder técnica de programas de emergência da entidade, Maria van Kerkhove, em coletiva de imprensa nessa quarta (3) Reprodução/OMS A líder técnica do Programa de Emergências da OMS, Maria van Kerkhove, disse nesta quarta-feira (3) que nenhuma das pesquisas que sequenciaram o genoma do coronavírus Sars-Cov-2 apontaram a possibilidade de mutação do vírus, mas reforçou que a batalha contra a Covid-19 está "longe de acabar". OMS anuncia que vai retomar testes com hidroxicloroquina para Covid-19 Em entrevista coletiva na sede da Organização Mundial da Saúde (OMS), Kherkhove disse que pesquisadores de todo o mundo já conseguiram sequenciar mais de 40 mil exemplares do novo coronavírus. “Os cientistas estão buscando se há mutações no vírus", disse a epidemiologista.

"Nenhuma das alterações identificadas até o momento indicam que o vírus esteja se mutando e alterando sua capacidade de transmitir ou causar doenças mais graves." Permanecer vigilante Van Kerkhove reforçou a importância de continuar com os cuidados básicos para conter a propagação do coronavírus, como o distanciamento social.

Segundo ela, as pessoas se cansam e deixam de cumprir com as medidas necessárias para se proteger do vírus. "É muito difícil manter todas essas medidas, devemos permanecer fortes e vigilantes", disse ela.

"Isto está longe de acabar." Segundo a epidemiologista, à medida que os bloqueios são suspensos, de forma gradual, pode ser necessário reintroduzir alguns bloqueios e isso "pode frustrar as pessoas".

Ela defende que isso pode tornar a pandemia ainda mais perigosa, porque as pessoas começarão a resistir às mudanças.

Initial plugin text