Incêndio na Reserva Natural do Lago Innes destruiu dois terços do habitat dos coalas no mês passado; cerca de 350 animais desta espécie morreram em queimadas no país, estimou o grupo Koala Conservation Australia.

Coala queimado recebe atenção de voluntária em abrigo australiano Stefica Nicol Bikes/Reuters Incêndios florestais dizimaram cerca de metade dos coalas que habitam uma reserva litorânea de Nova Gales do Sul, estimaram especialistas nesta sexta-feira (8), enquanto um número recorde de focos de chamas devasta o Estado australiano. Um início intenso da estação de incêndios florestais provocou uma queimada na Reserva Natural do Lago Innes que destruiu dois terços do habitat dos coalas no mês passado, deixando o restante sujeito à ameaça de um dos outros 15 grandes focos de incêndios no Estado. Cerca de 350 coalas que viviam na reserva de Port Macquarie, cidade do litoral norte, morreram nos incêndios florestais, estimou o grupo Koala Conservation Australia. A população total da reserva é de 500 a 600 coalas, disse a presidente do grupo, Sue Ashton. Presidente de grupo de proteção a Coalas, Sue Ashton Stefica Nicol Bikes/Reuters Cuidadores de animais do vizinho Hospital de Coalas de Porto Macquarie tratam de coalas resgatados, enfaixando suas feridas e alimentando-os com folhas de eucalipto e fórmula. "Procuramos sinais de dor -- ranger de dentes, aflição -- e encaramos um dia de cada vez", disse Amanda Gordon, que lidera a equipe de cuidadores, acrescentando que os problemas de saúde de alguns dos marsupiais podem ser difíceis de detectar. "Às vezes os coalas parecem estar muito bem.

As patas podem estar sarando, mas se está acontecendo algo que não conseguimos ver não existe muita coisa que possamos fazer", acrescentou ela, que trabalha no hospital há 15 anos. Os cuidadores estimam que ao menos 10 dias são necessários para se avaliar todos os danos à população de coalas.